ARRASTE O MOUSE NA ROLAGEM


<<< rolagem filme >>> posicione e arraste o mouse
"Para fazer uma obra de arte não basta ter talento, não basta ter força, é preciso também viver um grande amor." W.A. Mozart.

sábado, 25 de fevereiro de 2012

ACERVO DINÂMICAS ABAIXO: DIVERSAS DINÂMICAS DE GRUPO AQUI NESSA PÁGINA: LIVRO PRÁTICAS PEDAGÓGICAS VIVENCIAIS. Editora Vozes/Petrópolis/RJ

ACERVO DINÂMICAS ABAIXO: DIVERSAS DINÂMICAS DE GRUPO AQUI NESSA PÁGINA: LIVRO PRÁTICAS PEDAGÓGICAS VIVENCIAIS. Editora Vozes/Petrópolis/RJ

GRAVAR O NOME DO COLEGA
Objetivo: Esta dinâmica propõe um "quebra gelo" entre os participantes. Ela pode ser proposta no primeiro dia em que um grupo se encontra. É ótima para gravação dos nomes de cada um.
Material: Nenhum
Procedimento: Em círculo, sentados ou de pé, os participantes vão um a um ao centro da roda (ou no próprio lugar) falam seu nome, juntamente com um gesto qualquer. Em seguida todos devem dizer o nome da pessoa e repetir o gesto feito por ela. Sendo que todos devem repetir em somatória.

DINÂMICA DO GARGALHAR
Os jogadores sentam-se em círculos escolhendo-se uma para começar. Ao sinal de início, o jogador escolhido exclama: “Há!” ao que o seguinte completa: “Há!, Há!”, cabendo ao terceiro falar: “Há!, Há!, Há!” e assim por diante. Antes mesmo de se completar a volta inteira do círculo, o grupo estará com muita vontade de rir, mas não poderá fazê-lo, pois quem ri sai da brincadeira. É uma prova de resistência. Vence quem ficar por último.

Dinâmicas diversas para trabalhar com o Projeto Virtudes no guia completo que trabalha com virtudes e princípios morais e éticos... no livro: “Práticas Pedagógicas Vivenciais – dinâmicas para trabalhar, valores, atitudes, afetividade, autoestima, relacionamento, Inteligências Múltiplas/Potencialidades e autoconhecimento”. Vilmabel Soares. Editora Vozes/RJ. 2º Edição. 2010.

Além dessas dinâmicas, temos em nosso blog: http://teatroevida.blogspot.com dinâmicas para Volta As Aulas – Dinâmicas Evangélicas para Catequese – Dinâmicas para Sala de Aula – Dinâmicas para Crianças e Adolescentes – Dinâmicas Motivacionais...

DIVERSAS DINÂMICAS DE GRUPO NO LIVRO PRÁTICAS PEDAGÓGICAS VIVENCIAIS

A obra PRÁTICAS PEDAGÓGICAS VIVENCIAIS é dinâmica, prática e facilitadora. Nesta você encontra exercícios vivenciais pedagógicos práticos, entre eles: exercícios teatrais (técnicas vocais básicas, dança, música, expressão corporal, dicção, oratória, descontração, desinibição, percepção, imaginação, comunicação e expressão, criatividade, sociabilização, técnicas de relaxamento e meditação, entre outros); dinâmicas de grupo; textos reflexivos e brincadeiras diversas. O professor/ facilitador através das práticas aplicadas em sala de aula auxiliará o grupo a interagir e descontrair; expressar solidariedade; despertar a empatia; ampliar o conhecimento de si e interpessoal; construir sonhos, amizade e respeito a individualidade; a desinibição, sensibilização e auto-estima; melhorar a comunicação, expressar a criatividade; aprimorar a expressão verbal, gestual e espacial; despertar o indivíduo para automotivação; relacionar-se de maneira afetiva, confiante e social.

"Vilmabel de Oliveira Soares Gibon, gaúcha, natural de Rio Grande, nascida em 1972, formada em Matemática Licenciatura Plena, pela FURG – Fundação Universidade de Rio Grande. Educadora brinquedista, professora de oficinas de Teatro Infantil e pré-adolescentes, trabalha como Orientadora vocacional, Planejamento de Vida e Carreira - http://www.organismica.com.br/ juntamente em parceria com Dr. Geime Rozanski - membro da diretoria da sede SBDG - Sociedade Brasileira de Dinâmicas dos Grupos. Procura divulgar seu trabalho como facilitadora do processo ensino-aprendizagem vinculado à educação."
"Práticas Pedagógicas Vivenciais - Dinâmicas para trabalhar: valores, atitudes, afetividade, autoestima, relacionamento interpessoal, autoconhecimento e inteligências múltiplas", editado e publicado pela Editora Vozes, Rio de Janeiro/Petrópolis. 2º Edição. 2010.

Onde adquirir?


Brasil:

Adquira nas livrarias:
Brasil: e Portugal...

LIVRARIA AMERICANAS

LIVRARIA CULTURA

LIVRARIA SARAIVA

LIVRARIA SUBMARINO

Prezados visitantes: SORTEIO HOMENAGEM AO DIA DOS PROFESSORES NA COMUNIDADE DO ORKUT.
Adicione nosso blog nos seus favoritos e comunidade no orkut para ficar atento que próximo ano no Volta Aulas estaremos enviando novas dinâmicas facilitadoras para trabalhar com a indisciplina em sala de aula!
No Volta Aulas também estaremos com novo livro nas livrarias para auxiliá-lo a trabalhar com a indisciplina em sala de aula de maneira prática e vivencial da autora Vilmabel Soares!

Visite e participe da comunidade no orkut DINÂMICAS E PROJETOS DINÂMICOS da autora Vilmabel Soares – Educadora Brinquedista, escritora e pós-graduando em Arteterapia. ACESSE:DINÂMICAS E PROJETOS DINÂMICOS



As Dinâmicas de Grupo abaixo são algumas das diversas dinâmicas do livro “Práticas Pedagógicas Vivencias – dinâmicas para trabalhar valores, atitudes, afetividade, autoestima e relacionamento. Autora: Vilmabel Soares. Editora Vozes, Petrópolis/RJ. 2º Edição. 2010
*** Essas dinâmicas, inclusive exercícios teatrais e brincadeiras diversas, poderão ser trabalhadas intercaladas em suas aulas, independente de qual disciplina você trabalha em sala de aula.***

RELATO DE UM PROBLEMA
Objetivo: possibilitar habilidade de empatia entre os integrantes do grupo.
Material: Folha ofício e caneta.
Procedimento: O facilitador distribuirá folha ofício e caneta para cada integrante do grupo.
O facilitador solicitará aos participantes a descrição de um problema pessoal que gostariam muito que fosse resolvido.
Após, o facilitador recolherá os relatos e distribuirá um relato a cada participante tomando o cuidado para que cada um não fique com o seu próprio relato, ou seja, cada participante ficará em mãos com o relato de um colega participante do grupo.
Em seguida, o facilitador possibilitará uma explosão de idéias, ou seja, possíveis soluções dadas pelo grupo a cada problema relatado.
No final, o coordenador faz um feedback de todos os relatos enfatizando a importância de se colocar no lugar do outro para que cada um possa assimilar as diferenças pessoais, a individualidade possibilitando maior aceitação e empatia ao próximo.
Deve-se deixar claro ao grupo a não identificação do problema ao respectivo participante, a fim de evitar constrangimento entre os membros do grupo.
É importante que esse exercício seja realizado com fundo musical despertando a sensibilização no grupo.

DIFERENÇAS
Objetivo: Respeitar as diferenças.
Material: Folhas de papel ofício e caneta.
Procedimento: O coordenador distribuirá papel e canetas para o grupo. Em seguida, o coordenador pede a todos que citem sua raça, religião, costumes, nome dos pais, onde nasceu, e seus prediletos em fruta, comida, bebida, hobby, música, cor, programa de TV, disciplina, etc. Quando todos descreverem suas citações, o coordenador pede que cada um leia para todos suas características.
Reflexão: Pergunta-se a todos se eles ouviram dois ou mais participantes terem todas as suas respostas idênticas?
Portanto, o coordenador ressalta que todos somos diferentes com nossa unicidade, beleza e importância de ser e que ninguém é melhor ou mais importante que o outro, por isso, temos de respeitar nossas diferenças para que possamos conquistar o respeito de todos.


ENSINAR E APRENDER BRINCANDO?
No livro “Práticas Pedagógicas Vivencias – dinâmicas para trabalhar valores, atitudes, afetividade, autoestima relacionamento. Autora: Vilmabel Soares. Editora Vozes, Petrópolis/RJ. 2010 2º Edição
*** Essas dinâmicas, inclusive exercícios teatrais e brincadeiras diversas poderão ser trabalhadas intercaladas em suas aulas, independente de qual disciplina você trabalha em sala de aula.***

IDENTIFICAÇÃO PESSOAL
Objetivos: Ampliar o conhecimento de si e interpessoal. Promover a participação de todos com maior espontaneidade.
Material: brinquedos diversos relacionados a profissões (diferentes ou não).
Procedimentos: Todos em círculo, sentados. O coordenador espalhará brinquedos pela sala e solicitará aos participantes que cada um escolha um brinquedo e sente-se após escolher o brinquedo. Poderá acontecer que dois ou mais alunos façam a mesma escolha do brinquedo, portanto, pede-se que sentem próximos.
Após, todos terem feito suas escolhas, solicita a todos que façam reflexão sobre as seguintes perguntas:
O que esse brinquedo representa?
Por que a escolha desse brinquedo e não outro?
Se tivesse que dar esse brinquedo a um amigo(a) do grupo, quem você escolheria e por quê?
Esse brinquedo lembra alguém (familiar, amigo, artista, professor, vizinho,...)? Por quê?

AUTOMOTIVAÇÃO
Objetivo: Despertar o indivíduo para automotivação.
Material: caneta e xerox
Procedimento: O facilitador distribuirá caneta e uma folha ofício para cada um dos integrantes com as seguintes frases abaixo a serem completadas:
- Eu me orgulho de mim quando faço................................
- O que eu mais gosto do meu corpo é...............................
- Eu me sinto feliz quando..................................................
- Me destaco mais em.........................................................
- Eu faço muito bem...........................................................
- Minha capacidade maior é ..............................................
- Eu acredito que eu possa conquistar................................

ENTREVISTA
Objetivo: despertar confiança em si, no grupo e respeitar a individualidade.
Material: folha ofício, cartolina e caneta.
Procedimento: O facilitador distribuirá folha ofício e caneta para cada integrante do grupo. Explica a todos que serão instigados a responder uma entrevista. Cada um terá a função de entrevistador e entrevistado em cada dupla. A entrevista será baseada nas seguintes perguntas que estarão expostas no cartaz:
1) O que mais lhe deixa feliz?
2) O que mais lhe deixa triste?
3) Qual a profissão que você mais admira?
4) Qual a pessoa que você mais admira no grupo e por quê?
5) Qual a dinâmica que mais lhe agradou até o momento?
6) Quem se parece mais com você no grupo?
7) Que recado você deixaria ao grupo quanto à importância da confiança?
Após, todos sentados em círculo, cada um irá ao centro e apresentará o seu colega ao grupo baseado nas respostas que obteve.
O facilitador deverá propiciar um momento de reflexão intervindo quando houver qualquer indício de desvalorização de algum membro do grupo por qualquer outro, evitando que rótulos sejam tomados como crenças verdadeiras.

ENSINAR E APRENDER BRINCANDO?
No livro “Práticas Pedagógicas Vivencias – dinâmicas para trabalhar valores, atitudes, afetividade, autoestima relacionamento. Autora: Vilmabel Soares. Editora Vozes, Petrópolis/RJ. 2010
*** Essas dinâmicas, inclusive exercícios teatrais e brincadeiras diversas poderão ser trabalhadas intercaladas em suas aulas, independente de qual disciplina você trabalha em sala de aula.***

DESENHAR O SONHO
Objetivo: Despertar no indivíduo a capacidade de expressar seus sentimentos e sonhos.
Material: Folha ofício, lápis, canetinha hidrocor, lápis de cera, borracha e apontador.
Procedimento: Com fundo musical o orientador deve motivar os participantes a fecharem os olhos e pensarem em seus sonhos.
Perguntar:
- O que gostaria de ganhar de presente de um amigo?
- O que gostaria de ganhar de presente dos pais?
- Qual a pessoa que mais admira?
- Que profissão admira?
- O que pretende ser quando crescer?
Após essa reflexão, pede aos participantes que abram os olhos e desenhem o que viu em seus pensamentos, o que veio em sua mente, após essa reflexão.
Em seguida o orientador distribui folhas ofício para todos. Deixa a disposição dos integrantes canetinha, lápis de cor, lápis de cera, caneta, lápis, borracha e apontador.
Nesse trabalho no qual será expressando a inteligência pictórica é aconselhável fundo musical para que todo o grupo fique descontraído de forma confortável para expressar seus sentimentos.

REFLEXÃO: “NÃO HÁ SABER MAIOR OU SABER MENOR. EXISTEM SABERES DIFERENTES.” Paulo Freire
“Em um largo rio, de difícil travessia, havia um barqueiro que atravessava as pessoas de um lado para o outro. Em uma das viagens, iam um advogado e uma professora.

Como quem gosta de falar muito, o advogado pergunta ao barqueiro: Companheiro, você entende de leis?
Não, respondeu o barqueiro.
E o advogado compadecido: É pena, você perdeu metade da vida.
A professora muito social entra na conversa:
Seu barqueiro, você sabe ler e escrever?
Também não, respondeu o barqueiro.
Que pena! Condói-se a mestra.
-Você perdeu metade de sua vida!
Nisso chega uma onda bastante forte e vira o barco.

O barqueiro preocupado, pergunta:
Vocês sabem nadar?
Não! Responderam eles rapidamente.
Então é uma pena - Conclui o barqueiro. Vocês perderam toda a vida.” (Autor desconhecido)

Nota: Refletir sobre a importância de todas as profissões. Enfatizando que nenhuma é mais importante que a outra. E sim que uma complementa a outra com seus saberes diferentes para a sociedade num todo.”

ENSINAR E APRENDER BRINCANDO?
No livro “Práticas Pedagógicas Vivencias – dinâmicas para trabalhar valores, atitudes, afetividade, autoestima relacionamento. Autora: Vilmabel Soares. Editora Vozes, Petrópolis/RJ. 2010
*** Essas dinâmicas, inclusive exercícios teatrais e brincadeiras diversas poderão ser trabalhadas intercaladas em suas aulas, independente de qual disciplina você trabalha em sala de aula.***
DINÂMICA “DA HISTORINHA”
Objetivo: Treinar a memorização e atenção.
Procedimento: Todos devem estar posicionados em círculo de forma que todos possam se ver.
O organizador da dinâmica deve ter em mãos um objeto pequeno e direcionando a todos deve começar a história dizendo: Isto é um... (Ex. cavalo). Em seguida deve passar o objeto à pessoa ao seu lado que deverá acrescentar mais uma palavra a história sempre repetindo tudo o que já foi dito. (Ex. Isto é um cavalo de vestido...), e assim sucessivamente até que alguém erre a ordem da história pagando assim uma prenda a escolha do grupo.
Cria-se cada história engraçada... É bem divertido, aproveitem.

Contribuição enviada pela usuária: Jussara do Carmo Ferreira Souto Maior - Marketing e Venda

DINÂMICA DO VAI E VEM
Objetivo: Interação interpessoal.
Material: Nenhum.
Desenvolvimento: sentados no chão em círculo, um aluno fica por fora do círculo, em pé dando início a brincadeira. O jogador que está fora do círculo correrá ao redor e tocará nas costas de um colega dizendo: "Vem" ou "Vai"; o colega que receber o toque deverá correr atrás dele se for dito "Vem", ou correr em sentido contrário de costas se for dito "Vai", tentando disputar o seu lugar no circulo com este colega que lhe tocou. Quem ficar em pé continua a brincadeira batendo em outro colega e assim sucessivamente.

Dinâmica: "Recital das Almas Gêmeas”
Objetivo: É uma atividade muito divertida, que tem como objetivo a descontração e a aproximação entre os membros do grupo.
Material: papel e caneta
Procedimento: Divide-se a turma em duas equipes. Em papeis serão escritas mensagens que se completam (perguntas e respostas ou parte 1 e parte 2). Cada participante deverá pegar um papel, ou mais conforme a quantidade de papeis e participantes, sem deixar que seus colegas vejam o que está escrito. A mensagem será ex: 1 - 'eu sou um jardim sem flor', 2- ' eu sou a flor do teu jardim'. A segunda parte complementa a primeira. É importante que as mensagem sejam criativas e engraçadas. É preciso demarcar quais são as primeiras partes, para que sejam recitadas primeiramente, sendo completadas pela sua respectiva segunda parte.

Contribuição enviada pela usuária: Beatris Feuser - Profa. de Hidro e Natação

Dinâmica: "Para quem você tira o chapéu"
Objetivo: Estimular a autoestima
Materiais: um chapéu e um espelho
O espelho deve estar colado no fundo do chapéu.
Procedimento: O animador escolhe uma pessoa do grupo e pergunta se ela tira o chapéu para a pessoa que ver e o porquê, sem dizer o nome da pessoa. Pode ser feito em qualquer tamanho de grupo e o animador deve fingir que trocou a foto do chapéu antes de chamar o próximo participante. Fizemos com um grupo de idosos e alguns chegaram a se emocionar depois de dizer suas qualidades. Espero que gostem!

Contribuição enviada pela usuária: Andressa Carneiro - Vitória de Santo Antão PE – dentista


Dinâmica: “do papel"
Objetivo: Descontração
Materiais: pedaço de papel, caneta
Procedimento: Forma-se um círculo e em seguida será distribuído um pedaço de papel para cada um, e uma caneta. Logo após a pessoa irá escrever qualquer pergunta que ela quiser, ex: Porque hoje fez sol? entendeu?!É qualquer pergunta, o que vier na cabeça. Ai logo após o instrutor irá pegar os papéis de todos os participantes, embaralhar e entregar um para cada (só que você não poderá pegar o seu), ai depois de feito isso a pessoa vai responder o que estiver naquele papel que ela pegou. Depois que todos responderem sem um ver o do outro, você vai dobrar seu papel e vai passar 2 vezes para seu lado direito todos juntos. Ai começa a brincadeira. Uma pessoa começa lendo o que está em seu papel, em seguida a pessoa do lado direito ou esquerdo (depende do monitor escolher), digamos que foi pela direita, ai a pessoa vai ler o que está escrito na RESPOSTA dela, e assim sucessivamente, a mesma que respondeu a resposta vai ler a sua pergunta e o vizinho ao lado responderá a sua resposta é muito legal e divertindo causando muitos risos!!!!

Dinâmica: "dança da cadeira cooperativa"
Objetivo: essa dinâmica serve para quebrar o gelo e fazer com que os participantes pensem sobre cooperação entre o grupo.
Materiais: 1 cadeira
Procedimento: consiste na brincadeira da dança da cadeira(mesmo procedimento), só que em ao invés dos que ficarem sem se sentar sairem, terão que se sentar no colo do amigo, de modo que ninguém fique em pé. É muito engraçado! Ao final, com apenas uma cadeira todo o grupo terá que se sentar um no colo do outro.
Contribuição enviada pelo usuário: Luciene de Souza Figueiredo Pereira - diadema SP
E-mail:lucienesfigueiredo@hotmail.com

Dinâmica: "da rosa" (infantil)
Objetivo: despertar a atitude em preservar o que temos.
Materiais: uma flor (rosa) natural
Procedimento: fazer um círculo, e cada integrante retira um pedacinho da flor, ao final sobrará apenas o talo da flor. O monitor da dinâmica questiona o que aconteceu? Será que podemos consertar o que fizemos? Essa dinâmica pode ser trabalhada com os pequeninos, a fim de preservar os materias dentro da sala de aula, ou preservar o próprio meio ambiente.
Contribuição enviada pelo usuário: Dulcemar Garcia - E-mail:dulcemarg@bol.com.br - Professora de Educação infantil- psicopedagoga – SP

Dinâmica: "Patinho Feio"
Objetivo: Reflexão
Materiais: Tiras de papel colante, caneta
Procedimento: Colar tiras de papel colante ou escrever em fitas para serem colocadas na cabeça de modo que apareçam palavras as quais deverão ser seguidas pelos colegas que a lerem. Exemplo: beije-me, aperte minha mão,abrace-me, deixe-me, pisque para mim, etc etc.....sendo que apenas um elemento, deverá ficar com a palavra 'deixe-me'. sendo que esse será o único que não será procurado, será o patinho feio (deixe-me). No final, essa pessoa deverá contar como se sentiu, sendo discriminado e deixada de lado.
Dinâmica: "Salada de Frutas"
Objetivo: memória e concentração
Procedimento: O grupo senta em círculo e o facilitador diz uma fruta qualquer e aponta para um dos participantes. O participante escolhido deverá dizer a fruta falada pelo facilitador e uma de sua escolha. Aí começa a brincadeira. A pessoa que estiver ao lado direito da escolhida pelo facilitador deverá dizer a fruta do facilitador, da pessoa e a sua.
Exemplo: Facilitador - Maçã; Pessoa 1 - Maçã e Banana; Pessoa 2 - Maçã, Banana e Manga;Pessoa 3 - Maçã, Banana, Manga e Uva e assim sucessivamente até que alguém erre a seqÜência. Para a pessoa que errar pode ser solicitado um 'castigo' ou um 'mico'.
Obs: 1º Em vez de frutas a brincadeira pode ser feita com carros, países, estados, objetos (praia, casa, sala, etc.); 2º Eu faço essa brincadeira com as minhas turmas do grupo de Reciclagem da Língua Portuguesa (in company) e garante ótimos resultados. Como castigo à pessoa que erra, eu faço alguma pergunta sobre o conteúdo já estudado (como revisão), do conteúdo a ser estudado (como hipótese e suposição, para ver o conhecimento da pessoa sobre o assunto) e do conteúdo que está sendo estudado (como reforço). É uma brincadeira simples, mas que garante boas risadas e resultados maravilhosos deixando o ambiente e os participantes super descontraídos.

Contribuição enviada pela usuária: Denise Pinheiro Oliveira- E-mail:denisepinheiro@walla.com

Dinâmica: "das partes do corpo"
Objetivo: estimular a atenção e interação com os colegas
Procedimento: Numa grande roda a pessoa começa a brincadeira dizendo o nome de uma parte do corpo. passando a vez. A pessoa que estiver ao lado determinado irá colocar a mão na parte do corpo que a primeira pessoa falou, e dizer outra parte do corpo passando a vez. A pessoa ao seu lado, já determinado de modo que a vez corra apenas em um sentido, colocará a mão na parte corporal dita pela segunda pessoa e dirá outra parte e assim sucessivamente.

Contribuição enviada pelo usuário: Guilherme dos Anjos Nascimento- E-mail:guilhermenascimento@yahoo.com.br

Dinâmica: "Descobrindo as qualidades"
Objetivo: Interação
Materiais: quebra-cabeça, pedaços de papel e caneta
Procedimento: Dois grupos formam um círculo, com os componentes intercalados ( ex. um do amarelo, outro do azul e assim em diante até terminar o círculo). Cada componente deve escrever em um pedaço de papel uma qualidade própria (usando apenas uma palavra) e entregar para o participante do lado direito, sendo este o componente do grupo oposto, que deverá fazer mímica para que o seu grupo descubra a qualidade do participante ao lado (grupo oposto), quando o grupo acerta a qualidade logo o outro componente do mesmo grupo anterior que estava fazendo a mímica começa a fazer também a sua e assim sucessivamente . Enquanto isso o líder do grupo oposto está dentro do círculo montando um quebra cabeça, quando ele terminar o tempo acaba e ganha o grupo que descobriu mais qualidades do grupo oposto.
Contribuição enviada pela usuária: Adriana de Luna Catrinck- RJ - E-mail: catrinck_dri@hotmail.com

Dinâmica: "qualidades e defeitos"
Objetivo: falar das qualidades e defeitos.
Materiais: pedaço de papel, caneta
Procedimento: gostaria de sugerir uma dinâmica que fiz com meus alunos para falarmos das qualidades e defeitos. Entrega-se um pedaço de papel para cada participante e pede que desenhe a mão direita e a mão esquerda. Em cada dedo primeiro da mão direita escreve-se uma qualidade e na esquerda um defeito. O coordenador da dinâmica dá cerca de 20 minutos para escreverem. Ao final discute-se de acordo com o que cada um escreveu, finalizando que é mais fácil falar de características dos outros do que de nós mesmos e encerra dizendo que todos possuímos qualidades e defeitos, porém temos que nos respeitarmos e priorizarmos nossas qualidades. Um beijo, Cris
Contribuição enviada pela usuária: Cristiane Alves Brasil SP - educadora - E-mail: cristianeabrasil@hotmail.com

Dinâmica: "Conheço meu filho"
Objetivo: para reunião de pais
Materiais: Papel e caneta
Procedimento: Pedir que os alunos escreva em um papel pequeno a seguinte frase: 'eu amo a minha família'. Não pode ser assinado. Todos pedaços de papel deverá ter um número que corresponda o número que a cordenadora da reunião manterá em segredo. No dia da reunião todos os pepeis serão colocados espalhados em uma mesa e os pais deverão reconhecer a letra do filho e pegar um papel. Depois a cordenadora irá verificar se os pais acertaram e conhece a letra de seus filhos.

Contribuição enviada pelo usuário: Elson de Souza Medeiros - Pastor/professor - Serra ES
E-mail: medeiros.elson@uol.com.br
51. Dinâmica: "do General"
Objetivo: descontração... causa muitos risos e simpatia entre os participantes
Procedimento: Uma dinâmica para entreter... como uma brincadeira...
Há várias posições nesse jogo, como: lixo, soldado, cabo, sargento, coronel, general etc...
O general começa falando 'Passei a revistar minha tropa e senti falta do...(ele diz o nome de uma das posições)
A pessoa se levanta (a não ser que seja o cargo mais baixo, nesse caso, o General se levanta, e ele continua sentado) e diz 'O ... nunca falta, senhor(o cargo mais baixo não diz senhor ao general)
General - então quem falta?... - Quem falta é o ..., senhor
E assim se procede... até que alguem não se levante, ou levante na hora errada, ou esqueça de dizer 'senhor' ou diga senhor na hora errada
OBS: Se levanta apenas para um cargo mais elevado, e se diz senhor, também apenas para um cargo mais elevado. Nesse caso, a pessoa que errou vai para o cargo mais baixo, e cada pessoa sobe um cargo...Então, começa com o general dizendo 'Passei a revistar minha tropa(...)'
OBS2 - O cargo mais baixo nunca diz senhor ou se levanta para o general, mas para todos os outros participantes, sim...O general nunca se levanta ou diz senhor... apenas para o cargo mais baixo...
OBS3 - se faltarem cargos, pode-se inventar mais alguns, como cocô, ou balde, ou algo assim...

Contribuição enviada pelo usuário: Vinícius - Belo Horizonte/MG


Dinâmica: "da inteligência"
Objetivo: melhorar a percepção
Procedimento: Você pega um grupo e divide em 2 a 2, um olhando pro outro. Peça a eles para que se observem por 2 minutos, depois peça para eles se virarem de costas e mudarem três coisas em si mesmos e depois desvirarem e fazerem com que o parceiro descubra o que foi mudado. O outro também repete e assim sucessivamente repita por 3 vezes esta dinâmica.

Contribuição enviada pela usuária: Joyce cristina lippa - Indaiatuba – SP

Dinâmica: "da folha de revista"
Objetivo:
Material: folhas de revista, pátio ou sala, todos sentados em círculo
Procedimento: Dar uma folha de revista a cada participante e pede para que amassem bastante a folha, após todos amassarem pede para que desamassem novamente deixando a folha como era antes.
Ninguém irá conseguir, então explica-se que a folha representa as nossas palavras que uma vez ditas não podem mais serem consertadas, por isso devemos ter cuidado ao falar para que não venhamos a machucar o próximo, pois uma vez aberta a ferida será dificíl cicatrizar.

Contribuição enviada pela usuária: silvia lemos santos - ferraz de vasconcelos – SP

Dinâmica: "do balão"
Objetivo: Reflexão
Material:balões palitos de dentes uma caixa de bombons ou algum outro prêmio
Procedimento: entrega-se um balão para cada participante e em seguida um palito de dentes, pede-se para todos se espalharem e diz o seguinte: _ganha esta caixa de bombons quem conseguir ficar com o balão sem estourar.
Sem que o instrutor mande todos os participantes correm para estourar os balões dos adversários para ganhar a caixa de bombons, mas geralmente não sobra nenhum balão. Depois o instrutor pergunta: em que momento eu mandei vocês estourarem os balões dos colegas ? E fica com a caixa ou distribui.
Obs: se gostarem divulguem!

Contribuição enviada pela usuária: JOSEANE GOMES MOREIRA - TAIOBEIRAS MG

Dinâmica: "da Pergunta Certa"
Objetivo: Esta dinâmica irá despertar uma atenção maior a concentração e estratégia.
Material: papel e fita crepe
Procedimento: Esta dinâmica para funcionar independe da quantidade de pessoas participantes. Um exemplo, em um grupo o coordenador deverá colar um nome de uma pessoa famosa nas costas dos participantes, sem que eles vejam o que esta escrito, então ganha a dinâmica quem descobrir primeiro o nome que está escrito em suas costas, para ajudá-los eles poderão fazer perguntas entre si como por exemplo 'a pessoa é loira?', mas as respostas so poderão ser sim ou não.

Contribuição enviada pela usuária: KELLY CRISTINA DA SILVA - SANTO ANDRE – SP




Dinâmica: "Carta a si próprio"
Objetivo: Levantamento de expectativas individuais, compromissos consigo próprio, percepção de si, auto-conhecimento, sensibilização, reflexão, automotivação, absorção teórica.
Material: Envelope, sulfite, caneta.
Procedimento: 20'
Individualmente, cada treinando escreve uma carta a si próprio, como se estivesse escrevendo a seu (sua) melhor amigo (a). Dentre os assuntos, abordar: como se sente no momento, o que espera do evento (curso, seminário, etc.), como espera estar pessoal e profissionalmente daqui a 30 dias. Destinar o envelope a si próprio (nome e endereço completo para remessa). O Facilitador recolhe os envelopes endereçados, cola-os perante o grupo e, após 45 dias aproximadamente, remete ao treinando (via correio ou malote).

Contribuição enviada pela usuária: Elienai Costa de Amorim - Manaus – AM

Dinâmica: "da Bexiga"
Objetivo: Mostrar que nem sempre os caminhos mais fáceis são os melhores, aliás quase nunca. Se precisarem da ajuda de outro diga, que quando não conseguimos vencer algo sozinhos (vícios, frustações etc.) podemos pedir ajuda a outra pessoa, mais velhas (no caso de adolescentes).
Material: bexigas coloridas; fitilha (fita de presente); mini balas; tirinhas de papel com palavras boas e ruins do tipo sucesso, amor, paz, vida eterna, mentira, drogas.
Chegue antes para preparar a sala.
Coloque uma tirinha de papel com um dizer 'ruim' encha a bexiga e coloque uma fita longa, cole no teto essa bexiga, de forma que fique fácil de pegar, dessa forma vá dificultando as bexigas e 'melhorando' as palavras até a última bexiga, no nosso caso foi Vida Eterna, coloque balas junto com a palavra chave, se ninguem alcançar diga que pode pedir ajuda um ao outro.
Público: pode ser feito com pré-adolescentes, adolescentes, jovens e adultos, mudando as palavras para cada faixa etária. Boa sorte!

Contribuição enviada pela usuária: MICHELE KELLY SILVA VIEIRA- Resende - RJ

MODELAR
Dois círculos, um interno, outro externo. Os integrantes do círculo interno ficarão com os olhos fechados, os do círculo externo irão "modelar" o corpo dos colegas, fazendo lindas poses. Depois, irão procurar um espaço e farão com o seu corpo a mesma pose que fizeram com o corpo do seu companheiro; estes, ao sinal do mestre, abrirão os olhos e irão descobrir quem os "modelou". A seguir, trocam-se os círculos.

CAÇA-PALAVRAS
Jogam duas equipes. O mestre dará a cada equipe um papel que contém um quadro com várias letras. Algumas dessas letras, juntadas horizontalmente ou verticalmente, formarão as palavras que estão em cima desse quadro. A equipe que encontrar todas as palavras primeiro, vence a prova.

OBJETO ESCONDIDO
Jogam todos os participantes. Todos saem da sala, enquanto o mestre escolhe um objeto e o esconde. Quando o mestre chamar os jogadores, eles deverão fazer perguntas, como "Pra que serve?", "É grande ou pequeno?", "É pesado ou leve?"... Os jogadores irão procurar esse objeto. Quem acertar, será o novo mestre e fará o mesmo.


QUEM ESTÁ DIFERENTE
Os jogadores formam um semi-círculo e um participante destacado ficará na frente, com os olhos vendados. Os integrantes da roda permanecem na mesma posição menos uma que toma posição diferente. O jogador destacado no meio da roda tira o lenço dos olhos e procura encontrar o que está diferente. Acertando, escolhe outro para substituí-lo. Errando, o participante diferente se apresente e a brincadeira recomeça.

MENSAGEIRO
Jogam duas equipes, organizadas em semi-círculos fronteiros. Entre elas fica o mestre que dá ao último jogador de cada grupo lápis e papel. Para começar o mestre segreda a mesma mensagem ao primeiro de cada equipe. Ao seu sinal, tal recado vai sendo cochichado de um em um de cada partido até o último. Este ao recebê-lo transcreve-o para a folha de papel que corre a levar ao orientador. Ninguém pode repetir a frase ao vizinho depois de já lhe houver segredado uma vez. As mensagens serão conferidas em voz alta pelo mestre somente no término da partida. A vitória é do partido que primeiro entregar a mensagem ao mestre.

O QUE É O QUE É
Pesquisar na internet vários "O que é o que é", ou desafios, e aplicar no grupo.

TRUQUES DE MÁGICA
Pesquisar na internet vários truques de mágica e aplicar no grupo. Depois, ensinar os truques para que possam fazer em casa.

FORMAR PALAVRAS
Jogam duas equipes e um escrivão para cada equipe. O mestre dá um papel com várias letras embaralhadas (as mesmas) para cada equipe. Os escrivães, guiados pelos colegas de equipe, terão que escrever o maior número possível de palavras formadas através das letras impostas. Quem formar mais palavras em 3 minutos, vence.

DICIONÁRIO
Jogam várias equipes. Cada equipe receberá 3 placas (A, B e C). Em cada rodada, o mestre escreverá no quadro uma palavra que ninguém conhece e dará três definições: uma correta e duas erradas. No JÁ, todas as equipes levantam suas placas ao mesmo tempo. As equipes com mais acertos, vence a prova.

.

FORCA CORPORAL
O mestre decide que palavra ele fará. Dentre os participantes, o mestre escolhe o número de alunos assim como o número de letras que contém a palavra escolhida. Ele também deverá escolher outro jogador, que ficará fora da sala. Enquanto esse participante está fora da sala, o mestre escreve uma palavra no quadro em letras bem destacadas e, na frente de cada letra, coloca um de seus selecionados. Depois de tudo pronto, o jogador retorna à sala e vai para o fundo dela. Ele irá dizendo as letras que acha que tem naquela palavra e, conforme for acertando, o mestre irá mandar os alunos saírem da frente das letras que ele acertou. E assim o jogo prossegue até ele acertar a palavra (fazendo com que todos os participantes saiam da frente do quadro). Assim, ele passará a ser o novo mestre e escolherá outra palavra com outros selecionados e assim por diante...

que for mais aplaudido no final.

QUE ANIMAL EU SOU?
O mestre deve escolher um animal e escrever o nome dele num papel, que ficará na sua mão. Cada participante poderá fazer uma pergunta de cada vez ao mestre para descobrir que animal ele é. Ex.: "Você nada? Você voa? Você viva na terra"... Quando todos já tiverem perguntado, eles voltam a fazer novas perguntas, na mesma ordem. Quem acertar o animal será o novo mestre.

VOCÊ CONHECE O JUCA?
Os participantes (sentados) formam uma roda. O mestre inicia a brincadeira, perguntando ao jogador que está do seu lado direito: "Você conhece o Juca?" (fazendo um gesto corporal) Este responde "Não" e imediatamente faz a mesma pergunta para o seu vizinho (com o gesto corporal que viu e um novo). O objetivo é repetir os gestos corporais e acrescentar novos, sem esquecer. A brincadeira acaba quando todos já tiverem participado.


DETETIVE
As pessoas ficam em círculo, observando umas às outras. Sorteiam-se pequenos pedaços de papel com as seguintes inscrições: um com a letra "A" que identifica o papel de assassino; um com a letra "D" que identifica o papel de detetive e os demais com a letra "V" que indica o papel de vítima. O assassino deve piscar para as pessoas que ele acha que receberam o papel de vítima. Estas, após receberem a piscadela, disfarçam e anunciam que morreram "Morri!". O detetive deve ficar atento a todos para descobrir o assassino (e o assassino deve ficar atento para identificar o detetive e evitar que este "veja" seus crimes). Se descobrir o assassino (receber uma piscadela, ver uma piscadela), o detetive imediatamente determina: "Preso em nome da lei!". O detetive ganha a rodada e redistribuem-se os papéis. Se o detetive errar (viu o que pensou ser uma piscadela, mas não era – o assassino ganha). O assassino também ganha se matar todas as vítimas"

QUE ANIMAL EU SOU?
Os participantes formam um círculo. O mestre chama um voluntário e coloca-lhe nas costas um letreiro. Esta pessoa não pode saber o nome que está escrito. A um sinal do animador, o voluntário percorre o interior do círculo fazendo perguntas às demais pessoas, para identificar seu animal. Seus companheiros podem responder apenas com um sim ou um não. Se conseguir adivinhar, volta a integrar o círculo e escolhe um novo voluntário passa a repetir a experiência, com outro letreiro.

ESPELHO
Brincam duas equipes. Um jogador estará de frente para o outro, ou seja, cada jogador terá uma pessoa com quem ficará cara a cara. A equipe 1 começa. Cada participante deverá fazer gestos e movimentos para o rival que está na sua frente. Este, tem que imitar os seus movimentos. Depois, é a equipe 2 que fará a mesma coisa. Ambas as equipes terão um minuto para fazer.

MÍMICA
Uma pessoa é escolhida para fazer a mímica de qualquer coisa (PESSOA DO GRUPO, FILME, AÇÃO, MÚSICA, MINHA SOGRA É, NOVELA, ANIMAL...) Quem avinhar a mímica, é o próximo a fazer.

CORAL
O mestre deverá ensaiar uma música com sua equipe, que cantará com platéia assistindo.

OBJETO ESCONDIDO
Jogam todos os participantes. Todos saem da sala, enquanto o mestre escolhe um objeto e o esconde. Quando o mestre chamar os jogadores, eles deverão fazer perguntas, como "Pra que serve?", "É grande ou pequeno?", "É pesado ou leve?"... Os jogadores irão procurar esse objeto. Quem acertar, será o novo mestre e fará o mesmo.

O IMPERADOR
Os jogadores, sentados, formarão um círculo amplo, havendo um fora que ocupa o centro quando for chamado. Depois de escolhido um que será o “imperador”, chama-se o de fora para começar o jogo. Todos iniciam fingindo coçar o ombro esquerdo com a mão direita. O “imperador” deve ir, a cada momento, mudando o gesto e todos os outros passam a imitá-lo na nova atitude sem deixar perceber quem é ele. O que está no centro procura descobrir quem é o imperador, em três tentativas. Se errar, ele volta e um novo imperador é escolhido. Ganha se adivinhar e escolhe outro para recomeçar o jogo.

QUEM ESTÁ DIFERENTE
Os jogadores formam um semi-círculo e um participante destacado ficará na frente, com os olhos vendados. Os integrantes da roda permanecem na mesma posição menos uma que toma posição diferente. O jogador destacado no meio da roda tira o lenço dos olhos e procura encontrar o que está diferente. Acertando, escolhe outro para substituí-lo. Errando, o participante diferente se apresente e a brincadeira recomeça.

MENSAGEIRO
Jogam duas equipes, organizadas em semi-círculos fronteiros. Entre elas fica o mestre que dá ao último jogador de cada grupo lápis e papel. Para começar o mestre segreda a mesma mensagem ao primeiro de cada equipe. Ao seu sinal, tal recado vai sendo cochichado de um em um de cada partido até o último. Este ao recebê-lo transcreve-o para a folha de papel que corre a levar ao orientador. Ninguém pode repetir a frase ao vizinho depois de já lhe houver segredado uma vez. As mensagens serão conferidas em voz alta pelo mestre somente no término da partida. A vitória é do partido que primeiro entregar a mensagem ao mestre.

DANÇA DO CANUDO
Jogam uma dupla de cada equipe. Uma música será executada e os pares deverão manter o papel sem cair no chão, segurando somente com a sucção do canudo que estará em suas bocas. Quem deixar cair, dá o ponto para o adversário.

TIGELA
Jogam duas equipes e dois líderes. Cada líder deverá ficar a 2 metros de sua equipe. Ao lado de cada líder, deverá haver uma tigela em cima de uma mesa. Ao sinal do mestre, as equipes começarão a jogar bolinhas de papel para o líder, que deverá pegar e colocá-las na tigela. Não vale pegar as bolinhas quem caírem no chão, tem que pegar quando elas estiverem no ar. Em 1 minuto, o líder que conseguir pegar mais bolinhas, dá vitória à sua equipe.

BARRA-MANTEIGA
Jogam duas equipes. Cada equipe tem seu campo. Os campos são separados por um espaço vazio de aproximadamente 8m. Alternadamente, os jogadores vão até o lado adversário. Todos devem estar com as palmas das mãos viradas para cima. O jogador bate com a palma de sua mão numa das mãos e corre para o seu lado. Quem receber o toque, imediatamente corre atrás e tenta pegar o adversário, se conseguir, este passa a ser da equipe que o apanhou, e o jogador que o pegou faz a mesma coisa no grupo contrário. A equipe que conseguir agarrar mais do outro grupo é a vencedora.

ESTOURA-BEXIGA
Jogam duas equipes. Os participantes de cada equipe deverão ficar em fila, cada um deverá ter uma bexiga cheia. A 10 metros de cada fila, haverá um ajudante, que estará sentado. Ao sinal, o primeiro de cada coluna deve correr segurando o balão até a cadeira e estourar o balão sentando em cima do respectivo ajudante. Depois, volta para a sua coluna, dando a vez para o próximo participante que repetirá a ação e assim por diante até estourar todos os balões. A equipe que completar a tarefa primeiro ganha.

BALEADO
É como um pega-pega, mas com bola. Só na primeira vez, o mestre deverá jogar a bola para o alto e citar o nome de alguém, que deverá pegar a bola e balear um corredor, dizendo: "baleei fulano". Quem for baleado deverá pegar a bola e balear mais um, que deverá fazer o mesmo.

DESAMARRAR NÓS
Jogam um participante de cada equipe. Cada um recebe uma corda (ou cordão) com um mesmo número de nós. Ganha quem desatar todos os nós primeiro

Dinâmica do "O que você parece pra mim..."

Esta dinâmica pode ser empregada de duas maneiras, como interação do grupo com objetivos de apontar falhas, exautar qualidades, melhorando a socilização de um determinado grupo.


Material: papel cartão, canetas hidrocor e fita crepe.

Desenvolvimento: Cola-se um cartão nas costas de cada participante com uma fita crepe. Cada participante deve ficar com uma caneta hidrocor. Ao sinal, os participantes devem escrever no cartão de cada integrante o que for determinado pelo coordenador da dinâmica (em forma de uma palavra apenas), exemplos:

1) Qualidade que você destaca nesta pessoa;
2) Defeito ou sentimento que deve ser trabalhado pela pessoa;
3) Nota que cada um daria para determinada característica ou objetivo necessário a atingir nesta dinâmica.



Dinâmica do Desafio

Material: Caixa de bombom enrolada para presente
Procedimento: colocar uma música animada para tocar e vai passando no círculo uma caixa(no tamanho de uma caixa de sapato, explica-se para os participas antes que é apenas uma brincadeira e que dentro da caixa tem uma ordem a ser feita por quem ficar ccom ela quando a música parar. A pessoa que vai dar o comando deve estar de costas para não ver quem está a caixa ao parar a música, daí o coordenador faz um pequeno suspense, com perguntas do tipo: tá preparado? você vai ter que pagar o mico viu, seja lá qual for a ordem você vai ter que obedecer, quer abrir? ou vamos continuar? Inicia a música novamente e passa novamente a caixa se aquele topar em não abrir, podendo-se fazer isso por algumas vezes e pela última vez avisa que agora é para valer quem pegar agora vai ter que abrir, Ok? Esta é a última vez, e quando o felizardo o fizer terá a feliz surpresa e encontrará um chocolate sonho de valsa com a ordem 'coma o chcolate'.
Objetivos:essa dinâmica serve para nós percebermos o quanto temos medo de desafios, pois observamos como as pessoas têm pressa de passar a caixa para o outro, mas que devemos ter coragem e enfrentar os desafios da vida, pois por mais dificil que seja o desafio, no final podemos ter uma feliz surpresa/vitória.

Contribuição enviada pela usuária: Elizabete/Fortaleza - CE

Dinâmica "Tiro pela Culatra"


Essa dinâmica é desenvolvida exatamente como a número 3 acima. A única diferença é que ao invés de se dizer uma parte do corpo do colga da direita, deve dizer uma tarefa para que esse colega execute.

Quando todos tiverem escolhido a tarefa, Coordenador dá um novo comando:
_Cada pessoa deverá praticar a tarefa, exatamente como foi escolhida para o colega da direita.

É uma dinâmica bem engraçada e é muito utilizada como "quebra gelo ".

Autor: Desconhecido

Dinâmica do Sociograma

Esta dinâmica é, geralmente, desenvolvida a fim de se descobrir os líderes positivos e negativos de um determinado grupo, pessoas afins, pessoas em que cada um confia. É muito utilizada por equipes esportivas e outros grupos.

Material: papel, lápis ou caneta.

Desenvolvimento: Distribui-se um pedaço de papel e caneta para cada componente do grupo. Cada um deve responder as seguintes perguntas com um tempo de no máximo 20-60 segundos, cronometrados pelo Coordenador da dinâmica. Exemplo de Perguntas:

1) Se você fosse para uma ilha deserta e tivesse que estar lá por muito tempo, quem você levaria dentro desse grupo?
2) Se você fosse montar uma festa e tivesse que escolher uma (ou quantas desejarem) pessoa desse grupo quem você escoheria?
3) Se você fosse sorteado em um concurso para uma grande viagem e só pudesse levar 3 pessoas dentro desse grupo, quem você levaria?
4) Se você fosse montar um time e tivesse que eliminar (tantas pessoas) quem você eliminaria deste grupo?

Obs: As perguntas podem ser elaboradas com o fim específico, mas lembrando que as perguntas não devem ser diretas para o fim proposto, mas em situações comparativas.

De posse dos resultados, conta-se os pontos de cada participante e interpreta-se os dados para utilização de estratégias dentro de empresas e equipes esportivas.

Autor: Desconhecido

Dinâmica do Emboladão

Esta dinâmica propõe uma maior interação entre os participantes e proporciona observar-se a capacidade de improviso e socialização, dinamismo, paciência e liderança dos integrantes do grupo.


Faz-se um círculo de mãos dadas com todos os participantes da dinâmica.
O Coordenador deve pedir que cada um grave exatamente a pessoa em que vai dar a mão direita e a mão esquerda.
Em seguida pede que todos larguem as mãos e caminhem aleatoriamente, passando uns pelos outros olhando nos olhos (para que se despreocupem com a posição original em que se encontravam). Ao sinal, o Coordenador pede que todos se abracem no centro do círculo" bem apertadinhos". Então, pede que todos se mantenham nesta posição como estátuas, e em seguida dêem as mãos para as respectivas pessoas que estavam de mãos dadas anteriormente (sem sair do lugar).
Então pedem para que todos, juntos, tentem abrir a roda, de maneira que valha como regras: Pular, passar por baixo, girar e saltar.

O efeito é que todos, juntos, vão tentar fazer o melhor para que esta roda fique totalmente aberta.


Ao final, pode ser que alguém fique de costas, o que não é uma contra-regra. O Coordenador parabeniza a todos se conseguirem abrir a roda totalmente!

Obs: Pode ser feito também na água.

Autor: Desconhecido

Dinâmica do Sentar-se no Colo

Esta dinâmica propõe um "quebra gelo" entre os participantes:

O coordenador propõe que o grupo fique de pé, de ombro-á-ombro, em círculo. Em seguida pede que todos façam 1/4 de giro para um determinado lado ficando em uma fila indiana (assim: xxxxxxxxxxxx), embora em círculo. Ao sinal o Coordenador pede que todos se assentem no colo um do outro e depois repitam para o outro lado. É bem divertido, causando muitos risos !

Autor: Desconhecido

Dinâmica do "João Bobo"

Esta dinâmica propõe um "quebra gelo" entre os participantes e também pode ser observado o nível de confiança que os os participantes têm um no outro:

Formam-se pequenos grupos de 8-10 pessoas. Todos devem estar bem próximos, de ombro-á-ombro, em um círculo. Escolhem uma pessoa para ir ao centro. Esta pessoa deve fechar os olhos (com uma venda ou simplesmente fechar), deve ficar com o corpo totalmente rígido, como se tivesse hipnotizada. As mãos ao longo do corpo tocando as coxas lateralmente, pés pra frente , tronco reto. Todo o corpo fazendo uma linha reta com a cabeça.
Ao sinal, o participante do centro deve soltar seu corpo completamente, de maneira que confie nos outros participantes. Estes, porém devem com as palmas das mãos empurrar o "joão bobo" de volta para o centro. Como o corpo vai estar reto e tenso sempre perderá o equilíbrio e penderá para um lado. O movimento é repetido por alguns segundos e todos devem participar ao centro.

Obs: Pode ser feito também na água.

Autor: Desconhecido


Dinâmica do Nome

Esta dinâmica propõe um "quebra gelo" entre os participantes. Ela pode ser proposta no primeiro dia em que um grupo se encontra. É ótima para gravação dos nomes de cada um.

Em círculo, assentados ou de pé, os participantes vão um a um ao centro da roda (ou no próprio lugar) falam seu nome completo, juntamente com um gesto qualquer . Em seguida todos devem dizer o nome da pessoa e repetir o gesto feito por ela.

Variação: Essa dinãmica pode ser feita apenas com o primeiro nome e o gesto da pesso, sendo que todos devem repetir em somatória, ou seja, o primeiro diz seu nome, com seu gesto e o segundo diz o nome do anterior e gesto dele e seu nome e seu gesto... e assim por diante. Geralmente feito com grupos pequenos, para facilitar a memorização. Mas poderá ser estipulado um número máximo acumulativo, por exemplo após o 8º deve começar um outro ciclo de 1-8 pessoas.

Autor: Desconhecido


Dinâmica do "Escravos de Jó"

Esta dinâmica vem de uma brincadeira popular do mesmo nome, mas que nessa atividade tem o objetivo de "quebra gelo" podendo ser observado a atenção e concentração dos participantes.

Em círculo, cada participante fica com um toquinho (ou qualquer objeto rígido).
Primeiro o Coordenador deve ter certeza de que todos sabem a letra da música que deve ser:

Os escravos de jó jogavam cachangá;
os escravos de jó jogavam cachangá;
Tira, põe, deixa o zé pereira ficar;
Guerreiros com guerreiros fazem zigue, zigue zá (Refrão que repete duas vezes)

1º MODO NORMAL:

Os escravos de jó jogavam cachangá (PASSANDO SEU TOQUINHO PARA O OUTRO DA DIREITA);
os escravos de jó jogavam cachangá (PASSANDO SEU TOQUINHO PARA O OUTRO DA DIREITA);
Tira (LEVANTA O TOQUINHO), põe (PÕE NA SUA FRENTE NA MESA), deixa o zé pereira ficar (APONTA PARA O TOQUINHO NA FRENTE E BALANÇA O DEDO);
Guerreiros com guerreiros fazem zigue (PASSANDO SEU TOQUINHO PARA O OUTRO DA DIREITA), zigue (VOLTA SEU TOQUINHO DA DIREITA PARA O COLEGA DA ESQUERDA), zá (VOLTA SEU TOQUINHO PARA O OUTRO DA DIREITA) (Refrão que repete duas vezes).

2º MODO:
Faz a mesma sequência acima só para a esquerda

3º MODO:
Faz a mesma sequência acima sem cantar em voz alta, mas canta-se em memória.

4º MODO:
Faz a mesma sequência acima em pé executando com um pé.

5º MODO:
Faz a mesma sequência acima com 2 toquinhos, um para cada lado.

Dinâmica da "Escultura"

Esta dinâmica estimula a expressão corporal e criatividade.
2 x 2 ou 3 x 3, os grupos devem fazer a seguinte tarefa:

Um participante trabalha com escultor enquanto os outro (s) ficam estátua (parados). O escultor deve usar a criatividade de acordo com o objetivo esperado pelo Coordenador, ou seja, pode buscar:

-estátua mais engraçada
-estátua mais criativa
-estátua mais assustadora
-estátua mais bonita, etc.

Quando o escultor acabar (estipulado o prazo para que todos finalizem), seu trabalho vai ser julgado juntamente com os outros grupos. Pode haver premiação ou apenas palmas.

Autor: Desconhecido


Dinâmica da "Sensibilidade"

Dois círculos com números iguais de participantes, um dentro e outro fora. O grupo de dentro vira para fora e o de fora vira para dentro. Todos devem dar as mãos, sentí-las, tocá-las bem, estudá-las. Depois, todos do grupo interno devem fechar os olhos e caminhar dentro do círculo externo. Ao sinal, o Coordenador pede que façam novo círculo voltado para fora, dentro do respectivo círculo. Ainda com os olhos fechados, proibido abrí-los, vão tocando de mão em mão para descobrir quem lhe deu a mão anteriormente. O Grupo de fora é quem deve movimentar-se. Caso ele encontre sua mão correta deve dizer _Esta ! Se for verdade, a dupla sai e se for mentira, volta a fechar os olhos e tenta novamente.

Obs: Essa dinâmica pode ser feita com outras partes do corpo, ex: Pés, orelha, olhos, joelhos, etc. Tem o objetivo de melhorar a sensibilidade, concentração e socialização do grupo.

Autor: Desconhecido

Dinâmica do"Mestre"

Em círculo os participantes devem escolher uma pessoa para ser o advinhador. Este deve sair do local. Em seguida os outros devem escolher um mestre para encabeçar os movimentos/ mímicas. Tudo que o mestre fizer ou disser, todos devem imitar . O advinhador tem 2 chances para saber quem é o mestre. Se errar volta e se acertar o mestre vai em seu lugar.

Esta dinâmica busca a criatividade, socialização, desinibição e a coordenação.

14. Dinâmica do "Rolo de Barbante"

Em círculo os participantes devem se assentar. O Coordenador deve adquirir anteriormente um rolo grande de barbante. E o primeiro participante deve, segurando a ponta do barbante, jogar o rolo para alguém (o coordenador estipula antes ex: que gosta mais, que gostaria de conhecer mais, que admira, que gostaria de lhe dizer algo, que tem determinada qualidade, etc.) que ele queira e justificar o porquê ! A pessoa agarra o rolo, segura o barbante e joga para a próxima. Ao final torna-se uma "teia" grande.

Essa dinâmica pode ser feita com diversos objetivos e pode ser utilizada também em festas e eventos como o Natal e festas de fim de ano. Ex: cada pessoa que enviar o barbante falar um agradecimento e desejar feliz festas. Pode ser utilizado também o mesmo formato da Dinâmica do Presente .

Dinâmica do "Substantivo"

Em círculo os participantes devem estar de posse de um pedaço de papel e caneta. Cada um deve escrever um substantivo ou adjetivo ou qualquer estipulado pelo Coordenador, sem permitir que os outros vejam. Em seguida deve-se passar o papel para a pessoa da direita para que este represente em forma de mímicas. Podendo representar uma palavra mais fácil, dividí-la e ajuntar com outra para explicar a real palavra escrita pelo participante, mas é proibido soltar qualquer tipo de som.

Autor: Desconhecido

Dinâmica da"Verdade ou Consequência? "

Em círculo os participantes devem estar de posse de uma garrafa que deve ficar ao centro. Ao sinal do Coordenador, alguém gira a garrafa e para quem o bico da garrafa apontar é perguntado: _Verdade ou Consequência? Caso ele escolha verdade, a pessoa onde o fundo da garrafa apontou deve perguntar algo e ele obrigatoriamente deve responder a verdade. Se ele responder consequência deve pagar uma prenda (executar uma tarefa) estipulada pela pessoa que o fundo da garrafa apontou. A que respondeu gira a garrafa.

Autor: Desconhecido

Dinâmica da "Qualidade"

Cada um anota em um pequeno pedaço de papel a qualidade que acha importante em uma pessoa. Em seguida todos colocam os papéis no chão, virados para baixo, ao centro da roda. Ao sinal, todos devem pegar um papel e em ordem devem apontar rapidamente a pessoa que tem esta qualidade, justificando.

Autor: Desconhecido



A CANDIDATURA (DINÂMICA DE INTEGRAÇÃO)
Objetivo: Expressar de maneira simpática o valor que têm as pessoas que trabalham conosco.
Para quantas pessoas: Grupos de cinco pessoas se houver mais de 10 participantes.
Descrição da dinâmica: Cada grupo deve escolher um candidato para determinada missão Por exemplo, ser presidente da Associação de Moradores, ser dirigente de um clube esportivo, etc.
Cada participante coloca no papel as virtudes que vê naquela pessoa indicada para o cargo e como se deveria fazer a propaganda de sua candidatura.
O grupo coloca em comum o que cada um escreveu sobre o candidato e faz uma síntese de suas virtudes. Prepara a campanha eleitoral e, dependendo do tempo disponível, faz uma experiência da campanha prevista.
O grupo avalia a dinâmica, o candidato diz como se sentiu. O grupo explica porque atribuiu determinadas virtudes e como se sentiram na campanha eleitoral.

A COLAGEM
OBJETIVO: Comunicar uma mensagem ou o resultado de uma reflexão de forma criativa, usando revistas, jornais, etc.
MATERIAL : Papelógrafo, revistas, jornais, tesoura, cola, pincel atômico, etc...
DESENVOLVIMENTO : O animador explica o que é a colagem: é um cartaz feito por diversas pessoas, com recortes, fotos, ou outros, para comunicar o que pensam estas pessoas sobre determinado tema. Cada grupo de 5 a 8 pessoas discute o tema: busca fotos, recortes, letras de jornais e outros para expressar o que discutiu. Colam tudo num papelógrafo. As diferentes colagens são apresentadas em plenária e discute-se o que cada colagem quis dizer. As pessoas que fizeram a colagem podem complementar as interpretações, se for preciso.

A FORÇA DA FAMÍLIA
Distribuir a todos os participantes pedaços de cordão, com cerca de 80 cm de comprimento cada.
a) Pedir que todos partam o cordão que receberam em dois pedaços. (Provavelmente todos vão conseguir).
b) Pedir que todos juntem os dois pedaços, formando um cordão mais forte, e tentem parti-los ao meio, transformando o cordão original em quatro pedaços. (Aqueles que não conseguirem devem ser ajudados pelos vizinhos).
c) Pedir que todos juntem os quatro pedaços, formando um cordão ainda mais forte, na verdade quatro vezes mais forte que o original. Pedir que todos partam este novo cordão (Formado pelos quatro cordões juntos) no meio. Provavelmente ninguém vai conseguir, pois o cordão, alem de estar quatro vezes mais forte estará com apenas 20 cm o que dificulta a ação.
CONCLUSÃO:
PERGUNTAR AOS PARTICIPANTES A QUE CONCLUSÃO CHEGARAM APÓS ESSA EXPERIÊNCIA.
O Casal Coordenador enfim conclui:
O Cordão original representa um membro da família sozinho. É fraco e pode ser rompido com facilidade. é vulnerável e sujeito a desviar-se do bom caminho.
O Cordão duplo representa dois membros da família juntos. Já são mais fortes. Um protege e ampara o outro. Mas... ainda podem ser partidos. Não representam uma família.
O Cordão quádruplo representa a família constituída de PAI, MÃE e FILHOS. Esta sim, é forte. todos se amparam, protegem. Os mais velhos (os pais) instruem e educam os filhos. Todos tem maiores chances de serem felizes e prósperos, vencedores na vida.

A FOTO PREFERIDA
1- Objetivos:
- Começar a integração do grupo, partindo do conhecimento mútuo.
- Romper o gelo desde o princípio, a fim de desfazer tensões.
2- Destinatários: Grupos de jovens ou de adultos; se os participantes forem numerosos, convém organizar-se em equipes.
3- Material: Oito fotografias tamanho pôster, numeradas, apresentando cenas diversas, colocadas em lugar visível a todos.
3- Desenvolvimento:
- A motivação é feita pelo animador, com as seguintes palavras: “Em nossa comunicação diária, nós nos servimos de símbolos para expressar coisas, identificar pessoas, acontecimentos e instituições: neste momento, vamos fazer algo semelhante”.
- Convida os presentes a observarem as fotografias em silêncio e escolher aquela com que melhor se identificarem.
- A seguir, em equipe, cada qual indica a foto escolhida e faz seus comentários sobre ela. Os demais participantes podem intervir, fazendo perguntas.
4- Avaliação:
- Para que serviu o exercício?
- Como nos sentimos durante a experiência?
A Palavra Chave
1- Destinatários: Grupos de jovens ou de adultos.
Formar oito equipes (Se o número de participantes for pequeno pode-se formar apenas pares)
2- Material: Oito Cartões para cada equipe. Cada um deles contém uma palavra que encerre significado moral ou educativo, ou que se relacione com o trabalho que o grupo vem desenvolvendo, como por exemplo: Amizade, liberdade, diálogo, justiça, verdade, companheirismo, bravura, ideal, etc. Os cartões são entregues em um envelope.
3- Desenvolvimento:
- O animador organiza as equipes e entrega o material de trabalho.
- Explica a maneira de executar a dinâmica. Um membro da equipe retira os cartões (do envelope); após ler cada palavra, dá um tempo para que, cada membro da equipe fale sobre o significado que atribui à palavra.
- A seguir, a equipe escolhe uma das palavras como sua palavra-chave e redige uma frase alusiva a ela, (Frase que sintetize a interpretação do grupo quanto ao seu significado).
- No plenário, começa-se pela apresentação de cada equipe, dizendo o nome dos integrantes e, em seguida qual a palavra-chave escolhida pela equipe, seu significado, e a frase que redigiram.
5- Avaliação:
- Para que serviu o exercício? (Uma das respostas possíveis: Para exercitar a prática do trabalho em equipe.)(Outra: Para estimular a reflexão em conjunto, sobre temas que contenham conteúdo moral, educativo, ou que se relacione com o trabalho que o grupo vem desenvolvendo).
- Como estamos nos sentindo?

AS CARTAS E A COMUNICAÇÃO
Categorias: - Comunicação - Comunicação não verbal
Objetivos: Introduzir o tema ""Comunicação no Atendimento""
Nº de Participantes:
Não há limites
Material: 2 baralhos, Flip Chart, pincel.
Desenrolar: Enumerar todas as cartas do baralho no flip chart.
Solicitar que sejam atribuídas emoções a cada carta do baralho (do Ás ao Rei).
Embaralhar as cartas e distribuir de 7 a 11 cartas para cada participante (dependerá do tamanho do grupo)
Regras do jogo: Um voluntário deve escolher uma emoção e separar a(s) carta(s) correspondente(s), atentando para que o restante do grupo não descubra a carta escolhida. Dirigir-se à frente da sala e expressar a emoção sem verbalizá-la (duas no mínimo). Os outros participantes separam a(s) carta(s) relativa(s) à emoção apresentada (sem mostrar a figura ou comentar em voz alta). Ao sinal do facilitador, todos viram as cartas. Quem acertou, tira as cartas em questão do jogo.
Quem errou, recebe duas novas cartas por carta que tinha separado. O participante que terminar as cartas pode optar por sair do jogo ou solicitar mais cartas ao facilitador. Nota:
Todos devem representar emoções. Se mais de 50% do grupo errar a emoção apresentada por um participante, este recebe carta, porque provavelmente não soube expressar a emoção adequadamente.
Fechamento: O facilitador deve reforçar que a comunicação seja ela verbal (entonação de voz por exemplo) ou não verbal (movimentos faciais e corporais, gestos, olhares, etc.) é muito importante nas relações com as pessoas.
Como estamos nos relacionando o tempo todo com nossos clientes, devemos utilizar e saber interpretar essas reações.
Ao praticar a gerência por circulação (acompanhamento) é possível identificar através da observação da postura do funcionário diante do cliente, bem como através das reações expressadas pelos clientes, obter indicativos para avaliar se o atendimento está adequado ou não.
Não é possível acompanhar todos os funcionários individualmente, durante o tempo todo. Porém pode-se ficar atento ao movimento dos negócios e avaliar o desempenho dos funcionários e satisfação dos clientes, através da observação de posturas e atitudes.
Ao praticar este tipo de acompanhamento, deve-se ter o cuidado de agir com naturalidade e espontaneidade, a fim de não propiciar um clima de tensão e insegurança por parte dos funcionários.
Comentar a importância da comunicação no processo de gerenciamento de pessoas e desenvolver o tema com base no conteúdo da apostila e material de apoio

A TEIA
Em círculo os participantes devem se assentar.
O Coordenador deve adquirir anteriormente um rolo grande de barbante.
E o primeiro participante deve, segurando a ponta do barbante, jogar o rolo para alguém (o coordenador estipula antes ex: que gosta mais, que gostaria de conhecer mais, que admira, que gostaria de lhe dizer algo, que tem determinada qualidade, etc.) que ele queira e justificar o porquê !
A pessoa agarra o rolo, segura o barbante e joga para a próxima.
Ao final o cordão constrói uma "teia" grande.
Essa dinâmica pode ser feita com diversos objetivos e pode ser utilizada também em festas e eventos como o Natal e festas de fim de ano.
Ex: cada pessoa que enviar o barbante falar um agradecimento e desejar feliz festas.

BANDEIRA BRASILEIRA
Material: Papel verde, amarelo, azul e branco, tesoura, cola, régua, envelopes grandes no número dos grupos
Instruções ao líder da dinâmica:
Cada envelope deve conter somente alguns dos materiais. (ex: papel verde, amarelo, cola e régua em outro envelope papel azul, branco e tesoura). O grupo que conseguir montar a bandeira será o vencedor, independente de tempo.
A intenção é observar o senso de equipe e o poder de barganha entre os grupos, pois para conseguir a tesoura ele terá que ceder o que o outro grupo não tem.
Instruções aos grupos:
Cada grupo deverá construir uma bandeira brasileira, mas para tanto, seus componentes deverão ter atribuições distintas:
1 componente será o líder que irá orientar a confecção da bandeira
1 componente terá a incumbência de riscar as medidas nos respectivos papéis
1 componente ficará encarregado de cortar os papéis e as estrelas
1 componente será o responsável para colar os papéis
1 componente irá escrever a frase ordem e progresso
Importante: TODOS devem seguir as ordens do líder e TODOS devem participar!!!
1. O retângulo verde deverá medir 20 centímetros por 14 centímetros
2. O losango amarelo deve medir 11 centímetros por 17 centímetros
3. O círculo azul deve medir 7 centímetros de diâmetro
4. A faixa branca deve Ter os dizeres “ORDEM E PROGRESSO” em verde
5. Colar 27 estrelas brancas

BAÚ DAS RECORDAÇÕES
Destinatários: Grupos de jovens ou de adultos, formados há algum tempo.
Material:
Cada pessoa deve trazer para o encontro uma recordação, um objeto que guarda por algum motivo especial.(Também pode ser feito assim: Cada participante escreve em um pedaço de papel, a recordação de um momento importante de sua vida, dobra-o, coloca o seu nome por cima bem grande para facilitar a identificação).
O animador deve confeccionar previamente um baú, onde serão depositadas as recordações , e uma pequena chave numerada para cada integrante. A numeração da chave indica a ordem de participação.
O animador coloca o baú sobre uma mesa, no centro do grupo. Ao lado dele, encontram-se as chaves numeradas. À medida que os participantes vão chegando, depositam sua recordação no baú, retiram uma chave e vão ocupar seu assento, formando um círculo em volta do baú.
Desenvolvimento:
1- O animador motiva o exercício com as seguintes palavras: “Nós, seres humanos, comunicamo-nos também através das coisas ... os objetos que guardamos como recordações revelam a nós mesmos, assim como expressa aos demais, algo de nossa vida, de nossa história pessoal e familiar ... Ao comentarmos nossas recordações, vamos revelar, hoje, parte dessa história. Preparemos nosso espírito para receber este presente tão precioso constituído pela intimidade do outro, que vai partilhá-la gratuitamente conosco”.
2 - O animador convida a pessoa cuja chave contenha o número 01 a retirar sua recordação do baú, apresentá-la ao grupo e comentar o seu significado; os demais podem fazer perguntas. Assim se procede até que seja retirada a última recordação. O animador também participa.
3- Avaliação:
. Para que serviu o exercício ?
. Como nos sentimos ao comentar nossas recordações ?
. Que ensinamento nos trouxe a dinâmica ?
. O que podemos fazer para nos conhecermos cada vez melhor ?
Casamento em Alto Mar
Categorias: - Comunicação - Cooperação - Liderança
Objetivos: Desenvolver a flexibilidade, liderança e a capacidade de comunicação através do consenso.
Nº de Participantes:
Não há limites
Material: Cópia do texto para cada participante
Desenrolar: O facilitador irá entregar o texto abaixo a cada participante, pedindo que, após a leitura, classifique os personagens conforme orientado ao final do texto: Um casal de noivos marcou seu casamento e decidiu realizar a cerimônia em alto mar. Eles tomaram um barco conduzido por um experiente marinheiro, uma senhora e um amigo do noivo.
Durante a viagem, veio uma tempestade muito forte, e o noivo foi tragado pela água, perdendo-se no mar. A noiva procurou o marinheiro e implorou para que ele resgatasse seu noivo. O marinheiro propôs, levando em conta que ela não tinha dinheiro suficiente para pagar por um serviço tão perigoso, que pelo menos cortasse um dedo de sua mão esquerda como prova de amor.
A noiva, sem saber que decisão tomar, pensou que a velha senhora pudesse ajuda-la com sua sabedoria. A senhora disse: "Faça o que quiser, não posso decidir por você."
Depois de pensar muito, decidiu aceitar a proposta do marinheiro, pedindo ao amigo de seu noivo que a ajudasse a cortar o dedo. O marinheiro então, cumprindo sua promessa, resgatou o jovem noivo do mar.
Logo que recobrou os sentidos e soube do acontecido, virou-se para a noiva e disse que não casaria mais com ela, pois não conseguiria vê-la sem um dos dedos da mão.
O amigo do noivo, ao ouvir sua decisão, imediatamente propôs à jovem casar-se com ela. A jovem não só aceitou a proposta como pediu ao marinheiro que jogasse novamente seu antigo noivo ao mar.
Individualmente, classifique os personagens da história de 01 a 05, sendo:
1 = Pior 5 = Melhor
( ) Noiva ( ) Noivo ( ) Amigo do noivo ( ) Marinheiro ( ) Velha senhora
Após todos prencherem suas folhas o facilitador pedirá que o grupo chegue a um consenso, observando durante a discussão as atitudes de liderança, comunicação, flexibilidade e consenso.
Concordo Discordo
Categorias: - Assertividade - Comunicação - Poder de persuasão e influência - Respeito e Valores Pessoais
Objetivos: Exercitar a capacidade de persuasão, formas de comunicação, bem como proporcionar aprendizagem.
Nº de Participantes:
de 8 a 20 participantes
Material: Cartelas previamente elaboradas, contendo frases, expressões ou palavras que possam gerar polêmica ou elucidação.
Desenrolar: Esta dinâmica é indicada para grupos de estudo ou treinamento formado por pessoas que já convivam juntas e que precisem exercitar sua comunicação e o "colocar-se no lugar do outro".
Previamente o facilitador espalha as cartelas no chão ou sobre uma mesa. Cada uma das duplas deverá discutir sobre um tema (frase, expressão ou palavra), onde, um dos dois coloca todos os prós, e o outro, todos os contras, ou seja, um concorda com o que está escrito na cartela, o outro discorda. O facilitador orienta que cada dupla antes de pegar sua cartela escolhe de quem vai concordar e quem vai discordar. Solicita-se finalmente que UM dos membros de cada dupla vá até as cartelas e pegue uma.
Cada dupla terá cinco minutos para sua discussão, persuasão, aceitação ou, quem sabe, consenso.
Após cinco minutos invertem-se os papéis. Quem concordou passa a discordar vice-versa.
Ao final, o facilitador abre para comentários tais como:
Quais os sentimentos ou dificuldades de concordar ou discordar?
Como foi colocar-se no lugar do outro?
Nossas opiniões foram baseadas em preconceitos?
Temos ou não temos preconceitos?
Sugestões de frases ou palavras para as cartelas: Componentes nucleares.
Aborto.
"Manda quem pode, obedece quem tem juízo".
Quem tem competência se estabelece.
A conquista é uma questão de sorte.
Habilitação no trânsito aos 16 anos.
Bater nos filhos.
Globalização.
Desmatamento na Amazônia.
Salário (altíssimo) de jogador de futebol.
Mulher no comando de empresas.
Homem cozinhando, fazendo supermercado, participando de reuniões de pais na escola, etc..
Distribuição das finanças no lar: cada um deve ser dono do seu salário.
TV por assinatura.
Sexo na Internet.
Infidelidade: os direitos são iguais?


“CONTE UMA HISTÓRIA”
material: não há.
tempo de duração: 10min.
número de participantes: (-) 15 pessoas.
procedimentos: o monitor irá utilizar as palavras amor e amizade; trabalho e prosperidade; alegria e tristeza; reencarnação e evolução,(ou outro qualquer par de palavras, de acordo com seu objetivo)
depois pedirá para um dos participantes ir ao centro do círculo , e este irá começar uma história com as duas palavras citadas anteriormente, e cada vez que ele disser uma das palavras os demais irão levantar dos lugares e vão dar um rodadinha, e quando disser a outra palavra , todos os participantes irão trocar de lugar.
objetivos: desenvolver a criatividade do participantee leva-lo a uma maior integração e conhecimento.

DENTRO E FORA
Objetivo: Conseguir uma comunicação profunda
Para quantas pessoas: Grupos de 8 a 10 pessoas
Material necessário: Crachás com escritos: “de dentro” e “de fora” para repartir nos grupos.
Descrição da Dinâmica: O coordenador da dinâmica começa com uma motivação sobre a importância da comunicação, os níveis de manifestação da personalidade, etc.
Em seguida, forma-se grupos de 8 a 10 pessoas. A metade do grupo recebe o número 1 e a outra metade, o número 2. Os números 1 serão os de dentro e os 2 serão os de fora.
Durante 45 minutos os de dentro falarão sobre “ que imagem tem de mim mesmo”. Enquanto isso, os de fora devem escutar com atenção.
Depois, dá-se 45 minutos para que os de fora falam sobre “que imagem creio que os demais tem de mim” e os de dentro escutem com carinho.
Depois, separa-se os de dentro dos de fora e nestes sub-grupos e, durante 20 minutos, analisem as dificuldades que tiveram para falar e como perceberam a manifestação do outro sub-grupo e de cada uma das pessoas.
Reúnem-se novamente os de dentro e os de fora para comentar o que conversaram nos sub-grupos.
Em plenária, todos os grupos falam sobre a experiência como um todo, mas não sobre as manifestações pessoais realizadas em grupo.


DESENHO DE GIZ (DINÂMICA DE AVALIAÇÃO)
Objetivo: Avaliar a caminhada do grupo ou o andamento de uma reunião através de manifestações simbólicas dos participantes.
Para quantas pessoas: Funciona muito bem para grupos de tamanho médio, até 30 pessoas.
Material necessário: Lousa e giz colorido ou papelógrafo (bem grande) e lápis de cor, giz de cera ou outro material, com várias opções de cor.
Descrição da dinâmica: O coordenador orienta os participantes a irem até a lousa (ou papelógrafo) para desenharem alguma coisas que indique o como estavam quando começou o curso (ou o grupo, no caso de se avaliar a caminhada do grupo) e outro desenho que indique o como estão agora, passado algum tempo desde o início do processo. Quando todos tiverem feito os seus desenhos, o coordenador convida quatro pessoas para falarem da mudança que percebem em si mesmos e outros quatro para falarem um pouco do que estão vendo no quadro.
É importante o coordenador final de um encontro de estudo, e assim as pessoas podem levar consigo uma síntese facilmente relembrável.

DESENHO DOS PÉS
OBJETIVO : Socializar, integrar, perceber a necessidade de assumir compromissos, crescer, valorizar-se
MATERIAL : uma grande folha de papel e lápis colorido para cada participante.
DESENVOLVIMENTO : O animador motiva os participantes a desenharem num grande papel o próprio pé. Em seguida, encaminha a discussão, de forma que todos os participantes tenham oportunidade de dizer o que pensam.
Todos os pés são iguais?
Estes pés caminham muito ou pouco?
Por que precisam caminhar?
Caminham sempre com um determinado objetivo?
Quanto já caminhamos, lembrar de pessoas que lutaram por objetivos concretos e conseguiram alcançá-los.
Terminada a discussão, o animador convida a todos que escrevam no pé que desenharam algum compromisso concreto que irão assumir.

DESFAZENDO O NÓ
Esta dinâmica propõe uma maior interação entre os participantes e proporciona observar-se a capacidade de improviso e socialização, dinamismo, paciência e liderança dos integrantes do grupo.
Faz-se um círculo de mãos dadas com todos os participantes da dinâmica.
O Coordenador deve pedir que cada um grave exatamente a pessoa em que vai dar a mão direita e a mão esquerda.
Em seguida pede que todos larguem as mãos e caminhem aleatoriamente, passando uns pelos outros olhando nos olhos (para que se despreocupem com a posição original em que se encontravam). Ao sinal, o coordenador pede que todos se abracem no centro do círculo" bem apertadinhos". Então, pede que todos se mantenham nesta posição como estátuas, e em seguida dêem as mãos para as respectivas pessoas que estavam de mãos dadas anteriormente (sem sair do lugar).
Então pedem para que todos, juntos, tentem abrir a roda, de maneira que valha como regras: Pular, passar por baixo, girar e saltar.
O efeito é que todos, juntos, vão tentar fazer o melhor para que esta roda fique totalmente aberta.
Ao final, pode ser que alguém fique de costas, o que não é uma contra-regra.
após ouvir os participantes sobre o que concluíram a respeito da experiência, o coordenador destaca o valor da cooperação e participação ativa de todos, sem a qual seria impossível desfazer o nó.
alcançar o objetivo do grupo será muito mais fácil se todos se empenharem na solução dos problemas que ocorrerem no dia-a-dia.
Obs: Pode ser feito também na água.

DINÂMICA AS MENSAGENS

Material necessário:
- papel de carta, em quantidade para todos os participantes, nos três dias do evento:
-mensagens diferenciadas para todos os participantes, nos três dias - (foram usadas seis textos diferentes, em cada dia)
-quadro mural para, no último dia, os participantes colarem suas mensagens

1ª parte - sexta-feira
antes da primeira atividade, colocar em cada cadeira, antes da entrada dos participantes um envelope, e dentro uma mensagem e um papel de carta com timbre da escola de pais do brasil- seccional de alagoinhas/ba.
no final da mensagem, uma instrução:
retire a mensagem que é sua.
use o papel de carta, escreva livremente um bilhete dirigido a um colega oculto (não identificado, mas será um dos participantes do evento), coloque no envelope e devolva o envelope ao monitor que os estará recolhendo.

os envelopes recolhidos serão redistribuídos nas cadeiras, por ocasião do primeiro intervalo.

2ª parte - sábado
antes da primeira atividade, colocar em cada cadeira, antes da entrada dos participantes, um envelope, e dentro outra mensagem e um papel de carta com timbre da escola de pais do Brasil-seccional de alagoinhas/Ba.
no final da mensagem, uma instrução:
retire a mensagem que é sua.
use o papel de carta, escreva algumas palavras de amizade e/ou incentivo dirigidas ao colega que você escolher. coloque no envelope e entregue pessoalmente a ele.
observação: (levar alguns envelopes com mensagens extras, todas escritas a mão e no papel de carta igual ao usado na dinâmica. – ao perceber que algum participante não recebeu mensagem, fazer a entrega através dos membros da seccional)

3ª parte - domingo
antes da primeira atividade, colocar em cada cadeira, antes da entrada dos participantes, um envelope, e dentro uma terceira mensagem e um papel de carta com o timbre da escola de pais do Brasil – seccional de alagoinhas/ba.
no final da mensagem, uma instrução:
retire a mensagem que é sua.
use o papel de carta, escreva livremente, o que desejar e cole no mural que estará à disposição para este fim, para conhecimento de todos.

No encerramento dos trabalhos o facilitador pode fazer uma ligeira alusão à dinâmica, como conclusão, ou pedir que os participantes façam a conclusão, dando sua opinião sobre a mesma.



DINÂMICA... "DA ÉTICA E SEUS VALORES"

Material: Bexiga, tiras de papel
Procedimento:
Formação em círculo, uma bexiga vazia para cada participante, com um tira de papel dentro (que terá uma palavra ou uma pequena frase para o final da dinâmica)
O facilitador dirá para o grupo que aquelas bexigas são as tentações que enfrentamos no nosso dia-a-dia (de acordo com a vivência de cada um), e as dificuldades para se manter um comportamento ético em todas as situações da nossa vida.
Cada um deverá encher a sua bexiga e brincar com ela jogando-a para cima com as diversas partes do corpo; depois todos brincam com todas as bexigas, sendo que todos juntos não devem deixar nenhuma bexiga cair, pois assim, quem deixar uma bexiga cair, terá sucumbido á tentação de agir sem ética em algum momento.
Aos poucos o facilitador pedirá para alguns dos participantes ( um a um, aos poucos) deixarem sua bexiga no ar e sentarem; os restantes continuam no jogo, tendo que manter todas as bexigas no ar. Quando o facilitador perceber que quem ficou no centro não está dando conta de vencer todas as tentações, peça para que cada um segure uma bexiga e voltem ao círculo.
E então o facilitador pergunta:
1) a quem ficou no centro, o que sentiu quando percebeu que estava ficando sobrecarregado de tentações;
2) e a quem saiu, o que sentiu.

Ele pedirá aos participantes que estourem as bexigas e peguem o seu papel com o seu ingrediente, um a um deverão ler e fazer um comentário para o grupo, o que aquela palavra significa para ele.
Dicas de palavras ou melhores ingredientes: (coloca-se no papel só a palavra, a definição que aqui está serve de guia para o facilitador complementar a descrição do membro do grupo, se for necessário).
Lealdade: Quem é leal é ético para com seus amigos, jamais sucumbe á tentação de trair.
Concorrência: A ética é absolutamente necessária na concorrência. Precisamos concorrer lealmente, sempre respeitando as Leis, as Regras e nossos concorrentes.
Honestidade: O honesto é ético por natureza. Seja honesto para consigo mesmo, para com o próximo, para com Deus. A honestidade é vacina que reforça suas defesa contra a tentação de agir sem ética.
Não seja muito ambicioso; Sendo ético você poderá conquistar seus objetivos. A ambição, o desejo incontrolável de possuir, de ter, pode enfraquecer seu caráter e leva-lo a sucumbir a tentação de agir sem ética em algum momento.Devemos desejar as coisas que podemos conquistar com nosso esforço.
Trabalho - A ética e o trabalho honesto andam juntos. O trabalho deve ser o único meio para se conseguir realizar os desejos. Quem deseja muito, mas não se dedica ao trabalho, estará mais vulnerável. O caminho que promete ser mais rápido, exigir menos esforço, menos sacrifícios para se conseguir o que deseja, quase sempre está repleto de armadilhas e situações de risco.
Não seja muito apressado - Nunca se esqueça que você precisa ser ético em todas as circunstancias. A pressa quase sempre é inimiga da perfeição. Seja paciente consigo mesmo. Planeje a longo prazo. Você tem toda a sua vida pela frente. Busque conquistar seus objetivos, um a um, ao longo do tempo.
cabe ao facilitador criar um bom número de palavras evitando palavras repetidas mais de duas vezes. até duas vezes é possível repetir sim, e você verá que cada membro que pegar uma palavra que já foi usada, poderá falar sobre ela, abordando um outro aspecto.
a conclusão final da dinâmica você pedirá aos participantes.

DINÂMICA DA ORDEM
Categorias: - Respeito e Valores Pessoais
Objetivos: Através desta dinâmica, o grupo reflete o porque cada um reage de uma maneira diferente diante de uma mesma coisa. Trabalha também as diferenças individuais como entender melhor o outro e como trabalhar com essas diferenças de comportamento.
Nº de Participantes:
de 10 a 30 participantes
Material: Papel sulfite, caneta hidrocor.
Desenrolar: Distribui-se a cada participante uma canetinha e uma folha de sulfite em branco e dá-se a seguinte ordem a todos: Desenhar um animal que possua:
? porte elevado ? olhos pequenos ? rabo comprido ? orelhas salientes ? pés enormes ? coberto de pelos Depois que todos terminarem de desenhar, pedir que coloquem o desenho no chão, um ao lado do outro, de forma que o grupo possa visualizar cada um.
Depois o facilitador mostra ao grupo, como cada um reage de forma diferente, diante da mesma ordem, pois cada um reage de acordo com suas experiências, e que cada um vê o mundo de maneira diferente.
O facilitador abre uma discussão para que o grupo comente o que aprendeu com esta dinâmica

DINÂMICA DA PENETRAÇÃO
Objetivos:
a) Vivenciar o desejo de merecer consideração e interesse .
b) Sentir a alienação, o isolamento, a solidão, sensação de estar excluído de um grupo.
Tamanho do grupo:
Qualquer tamanho, uma vez que serão escolhidos membros para participar do exercício.
Tempo requerido:
15 minutos aproximadamente.
Ambiente físico:
Uma sala suficientemente ampla para poder acomodar todos os participantes.
Processo :
I. O animador escolhe umas cinco a sete pessoas que serão identificadas como “de dentro” e que ficam de pé, no centro do grupo, formando um círculo com os braços entrelaçados. Tanto podem ficar virados para dentro como para fora.
II. A seguir, escolherá uma pessoa do grupo que será o “ intruso” e que deverá tentar penetrar no círculo da maneira que puder, e os componentes do círculo procurarão conservá-lo fora.
III. O “ intruso” tentará abrir o círculo e SE CONSEGUIR toma seu lugar ao lado dos outros como um membro regular.
O animador indica outro membro como “intruso” , já que está atividade costuma despertar grande empatia.
IV. No final do exercício, os “intrusos” e os outros membros que funcionaram como observadores, farão os comentários acerca da experiência. É importante SALIENTAR se os “intrusos” tentaram penetrar a força ou através do diálogo.
Referência Bibliográfica :
FRITZEN, Silvino José. Exercícios Práticos de Dinâmica de Grupo . Rio de Janeiro. Ed. Vozes, 1981.



DINÂMICA..." DOS PROBLEMAS"
Material: Bexiga, tira de papel
Procedimento:
Formação em círculo, uma bexiga vazia para cada participante, com um tira de papel dentro (que terá uma palavra para o final da dinâmica)
O facilitador dirá para o grupo que aquelas bexigas são os problemas que enfrentamos no nosso dia-a-dia (de acordo com a vivência de cada um), desinteresse, intrigas, fofocas, competições, inimizade, etc.
Cada um deverá encher a sua bexiga e brincar com ela jogando-a para cima com as diversas partes do corpo, depois com os outros participantes sem deixar a mesma cair.
Aos poucos o facilitador pedirá para alguns dos participantes deixarem sua bexiga no ar e sentarem, os restantes continuam no jogo. Quando o facilitador perceber que quem ficou no centro não está dando conta de segurar todos os problemas peça para que todos voltem ao círculo e então ele pergunta:
1) a quem ficou no centro, o que sentiu quando percebeu que estava ficando sobrecarregado;
2) a quem saiu, o que ele sentiu.
Depois destas colocações, o facilitador dará os ingredientes para todos os problemas, para mostrar que não é tão difícil resolvermos problemas quando estamos juntos.
Ele pedirá aos participantes que estourem as bexigas e peguem o seu papel com o seu ingrediente, um a um deverão ler e fazer um comentário para o grupo, o que aquela palavra significa para ele.
Dicas de palavras ou melhores ingredientes:- amizade, solidariedade, confiança, cooperação, apoio, aprendizado, humildade, tolerância, paciência, diálogo, alegria, prazer, tranqüilidade, troca, crítica, motivação, aceitação, etc...
(as palavras devem ser feitas de acordo com o seu objetivo.

Dramatização
Objetivos
1- Criar condições para a participação psicológica em uma discussão.
2- Pesquisa um assunto e apresentá-lo, simuladamente.
3- Libertar a discussão da centralização numa pessoa
4- Facilitar a comunicação mostrando ao invés de apenas falar.
5- Dar calor e vida aos fatos estudados.
6- Comprovar as diversas formas de encarar uma situação-problema.
7- Desenvolver a sensibilidade
Componentes
1- Diretor de cena: Promove discussão, esforçando-se para que todos participem dela.
2- Atores: Membros do grupo
3- Auditório: Outros membros da comunidade
Passos
1- Preparo
1.1- Estudo do tema: pesquisa, debate, etc
1.2- Prepara-se o assunto a ser dramatizado
1.3- Define-se personagens e suas características
1.4- Prepara-se os atores
1.5- Prepara-se o cenário
1.6- Prepara-se disfarces, etc.
2- Representação
3- Discussão
3.1 Atores avaliam a apresentação, destacando impressões, animação, envolvimento, relações, aprendizagem, dificuldades.

ENTREVISTA
Objetivos
1- Obter conhecimentos, informações ou mesmo opiniões atuais a respeito de um tema.
2- Utilizar melhor os conhecimentos de um especialista sobre o tema.
3- Obter mais informações em menos tempo.
4- Tornar o estudo de um tema, mais dinâmico.
Componentes:
1- Coordenador (O próprio coordenador do grupo)
2- Entrevistado (Pessoa versada no tema de interesse do grupo)
3- Auditório (os demais participantes do grupo)
Passos:
1- coordenador apresenta em breves palavras, um tema, deixando várias dúvidas sobre o mesmo. (proposital)
2- Coordenador levanta com o grupo, a possibilidade de completar o conhecimento através de entrevista junto a pessoas que são estudiosas do assunto.
3- O grupo define o entrevistado.
4- O grupo, orientado pelo coordenador prepara as perguntas para a entrevista.
5- Convite ao entrevistado
6- Representante do grupo faz as perguntas.
7- Auditório vai registrando as respostas.
8- Coordenador possibilita comentários sobre as respostas dadas pelo entrevistado.
9- Coordenador faz uma síntese de todo o conteúdo.
10- Discussão sobre o assunto.
11- Grupo (auditório) apresenta verbalmente, suas conclusões.
Avaliação
1- Para que serviu a dinâmica?
2- O que descobrimos através da entrevista?
3- O que gostaríamos de aprofundar sobre o assunto?

EU E MEU GRUPO
OBJETIVO : Avaliar o grupo e a contribuição de cada um de seus membros.
DESENVOLVIMENTO : Cada um responde em particular às perguntas:
• que me agrada no grupo?
• que não me agrada?
• que recebo dele? o que deixaria de ganhar se ele se acabasse?
• que recebo de cada pessoa?
• que ofereço ao grupo?
• qual foi a maior tristeza?
Cada um responde o que escreveu. É importante ressaltar que não se trata de discutir em profundidade mas principalmente de se escutarem reciprocamente. Depois de ouvir todo mundo, fazer uma discussão do que fazer para que o grupo melhore.


AÇÃO

- Distribuir um pedaço de papel e lápis a cada participante.
- Pedir que escrevam no papel, uma palavra que signifique o que de mais importante desejam deixar para trás, renunciar, esquecer. Pode ser um vício, um costume prejudicial, um comportamento inadequado, qualquer coisa que você abandonando signifique mudança em sua vida, para melhor.
Após escrever, dobrar o papel e colocar fechado na mão direita.
Em seguida pedir que um a um os participantes encaminhem-se até o RECIPIENTE e lá depositem o papel onde escreveram o que desejam deixar para trás, esquecer, renunciar.
Quando todos tiverem terminado, o animador da Dinâmica joga no recipiente um pouco de álcool e ateia fogo. Explica, então:
simbolicamente estamos eliminando de nossas vidas estas dificuldades. depende agora de cada um a eliminação real e total.


HERANÇA GENÉTICA
Objetivo: Descobrir os traços de personalidade herdados da família.
Material: 1 Folha A4 para cada participante, Canetas hidrocor, lápis de cor ou giz de cera, Música ambiente.
Procedimento: Deve ser acima de 15 participantes . Tempo: 25 min.
O coordenador reflete com o grupo as características genéticas que herdamos de nossos parentes mais próximos. Às vezes um comportamento ou atitude revela uma característica do avô, do pai, da tia... Este exercício irá promover no grupo uma apresentação grupal a partir das qualidades da árvore genealógica de cada um.
Entregue uma folha A4 para cada participante. Dobre-a em 4 partes e nomeie as partes com sendo A, B, C e D. Coloque música ambiente.
Na parte A o participante deverá desenhar livremente como ele enxerga os avós maternos (colorindo bem o desenho) e ao lado de cada um vai anotar uma qualidade e uma falha que percebe em cada um dos avós maternos.
Na parte B o participante deverá desenhar livremente como ele enxerga os avós paternos (colorindo bem o desenho) e ao lado de cada um também vai anotar uma qualidade e uma falha que percebe em cada um deles.
Na parte C o participante deverá desenhar Pai e Mãe e seguir o exercício anotando a principal qualidade que nota nos pais e também a principal falha.
Na parte D ele deverá desenhar um auto-retrato (como ele se vê)e observando as qualidades e falhas da família, deverá anotar que características herdou e de quem herdou. Escrever também na folha o nome e a idade.
Após o término dos desenhos, o coordenador orienta o grupo a sentarem-se em trio e comentar sobre suas heranças.
Análise
A análise deste jogo se dá pela valorização que damos à genética, à nossa história de vida pessoal baseada nos valores e comportamentos familiares. Da percepção que temos do espaço social chamado Família.
Que personagem da família foi mais fácil desenhar?
Dentre as qualidades que você herdou, qual foi mais confortável anotar? Por que?
Que característica você nota em seus familiares e você ainda não possui? Deseja possuir?
Que sentimentos este exercício trouxe à tona?
Que herança é mais fácil herdar? Características ou valores financeiros?

JORNAL FALADO
Objetivos
1- Organizar informações sobre um determinado assunto
2- Desenvolver a expressão oral, o raciocínio, o espírito de cooperação e socialização.
3- Sintetizar idéias e fatos.
4- Transmitir idéias com pronúncia adequada e correta.
Passos:
1- Formar pequenos grupos.
2- O coordenador apresenta o tema para estudo, pesquisa.
3- Cada grupo pesquisa e estuda o tema.
4- Cada grupo sintetiza as idéias do tema.
5- Elaboração das notícias para apresentação, bastante criativa, em forma de jornal.
6- Apresentação do jornal falado ao grupão (Destacamos que a apresentação deverá ser feita por um membro do grupo, no papel de locutor de um noticiário, lendo as notícias).
Avaliação
1- Quais os momentos que mais nos agradaram?
2- Que ensinamentos podemos tirar para o grupo?

MENSAGEM NO ESCURO
Curso de Oratória
Objetivo: Desenvolver estratégias de comunicação direta.
Material: Vários sacos , contendo objetos como algodão, feijão, pedras, folhas, botões, etc.
Procedimento:
Os componentes do grupo ganham um saco cada um, contendo um dos objetos acima mencionados. Tentam descobrir apenas tateando externamente o que tem em seu saco; quem não conseguir pode colocar a mão dentro do saco para com o tato descobrir seu conteúdo; só em último caso, pode olhar dentro do saco.
é proibido falar o nome do que encontrar dentro do saco.
Após descobrir o que tem dentro do saco, um a um deve passar para o grupo a informação, mas sem falar o nome do objeto. Nesse caso, falar apenas como é o formato, se é de utilidade, ou se é para comer, enfim, dar as informações que qualifiquem o objeto e façam o grupo descobrir o que é.
O grupo deverá descobrir o que tem dentro de cada saco.


COMUNICAÇÃO
Objetivo: Desenvolver a comunicação não-verbal e a criatividade. Para quantas pessoas: Para grupos de cerca de 20 pessoas.
Material necessário: Tantos cartões (com conceitos ou nomes de coisas) quantos participantes houver.
Descrição da dinâmica: O coordenador pede que cinco voluntários apresentem alguma idéia para o grupo na forma de mímica. O grupo deve tentar descobrir o que cada um desses cinco voluntários tentou dizer.
Em seguida, o coordenador entrega um cartão para cada um (com conceitos como amor, paz, liberdade, esperança, sinceridade, ou com nomes de coisas como árvore, carro, criança, mesa...).
Em pequenos grupos (de mais ou menos cinco pessoas) cada um deve explicar o que está em seu cartão usando só a mímica e o grupo deve descobrir o que ele tentou dizer.
Depois que todos no grupo tiverem apresentado o que está marcado em seu cartão, o grupo avalia quem fez a melhor mímica e escolhe uma delas para apresentar em plenário.
Cada grupo apresenta a sua mímica, os outros grupos devem tentar descobrir o que se tentou dizer e depois, avaliando as mímicas, deve escolher a melhor.

Minha bandeira pessoal
Esta dinâmica toca num assunto vital para os jovens. Pode ser trabalhada na escola ou nos grupos, podendo ser adaptada à realidade específica.
Objetivo: Possibilitar aos participantes a identificação das suas habilidades e limitações.
Material necessário: Fichas de trabalho, lápis preto, lápis de cor, borrachas.
Descrição da dinâmica:
1. Grupo espalhado pela sala. Sentados. Dar a cada participante uma ficha de trabalho. Distribuir o material de desenho pela sala;
2. Explicar ao grupo que a bandeira geralmente representa um país e significa algo da história desse país. Nesta atividade cada um vai construir sua própria bandeira a partir de seis perguntas feitas pelo coordenador;
3. Pedir que respondam a cada pergunta por intermédio de um desenho ou de um símbolo na área adequada. Os que não quiserem desenhar poderão escrever uma frase ou algumas palavras, mas o coordenador deve procurar incentivar a expressão pelo desenho;
4. O coordenador faz as seguintes perguntas, indicando a área onde devem ser respondidas:
- Qual o seu maior sucesso individual?
- O que gostaria de mudar em você?
- Qual a pessoa que você mais admira?
- Em que atividade você se considera muito bom?
- O que mais valoriza na vida?
- Quais as dificuldades ou facilidades para se trabalhar em grupo?
Dar cerca de vinte minutos para que a bandeira seja confeccionada;
5. Quando todos tiverem terminado, dividir o grupo em subgrupos e pedir que compartilhem suas bandeiras.
6. Abrir o plenário para comentar o que mais chamou a atenção de cada um em sua própria bandeira e na dos companheiros. Contar o que descobriu sobre si mesmo e sobre o grupo.
7. No fechamento do encontro, cada participante diz como se sente após ter compartilhado com o grupo sua história pessoal.
Comentários:
1. Tomar consciência das suas habilidades e limitações propicia um conhecimento mais aprofundado sobre si mesmo, suas habilidades, facilitando as escolhas que precisa fazer na vida;
2. Feita dessa forma, a reflexão torna-se prazerosa, evitando resistências. É um trabalho leve e ao mesmo tempo profundo. Permite que o grupo possa entrar em reflexões como a escolha profissional.

OS BOMBONS
Esta Dinâmica pode ser usada como complemento, quando for trabalhados temas como: Mãe e/ou pai; Educação da infância, Meninice e Adolescência; e/ou Amor e segurança.
MATERIAL
Alguns pacotes de bombons
DESENVOLVIMENTO
Solicitar que as pessoas do grupo fechem os olhos, estendam as mãos e aguardem.
Distribui-se os bombons de maneira desordenada, isto é, alguns recebem muitos, outros receberão poucos e alguns não receberão nada.
Peça para abrirem os olhos e pergunte o que sentiram: alegria, tristeza, decepção, desânimo, inveja.
CONCLUSÃO:
Os nossos filhos estão assim: de braços abertos, de mãos estendidas, confiando em nós, cheios de expectativas.
E nós, o que temos dado a eles?
Pouco? O suficiente?

OS LIMÕES
TEMAS EM QUE PODE SER USADA:
- DIFICULDADES PARA EDUCAR
- EDUCAÇÃO NA INFÂNCIA, MENINICE E ADOLESCÊNCIA
- AMOR E SEGURANÇA
- CADA FILHO É ÚNICO
- PERSONALIDADE

MATERIAL: Um pacote de limão e uma cesta.

DESENVOLVIMENTO
Antes de começar o círculo, distribuir um limão para cada participante. Pedir que observem bem o limão escolhido. Após alguns minutos recolher os limões com uma cesta. Na conclusão dos trabalhos, passar a cesta novamente pelos circulistas e solicitar que cada um procure o limão que havia escolhido anteriormente.

CONCLUSÃO
Foi possível encontrar, entre tantos, o limão escolhido, porque você observou características, detalhes. Nosso filho é uma pessoa única, com características específicas, basta que a gente as observe.

: O meu coração está cheio de...
No final, o instrutor deverá conduzir o grupo a trocar os corações, entregar o seu coração a outro e também receber o coração do companheiro.
Ao fundo, toca-se uma música apropriada, tipo: Coração de Estudante, Canção da América ou outra.